19 de janeiro de 2016

#12mesesdePoe: Conto Metzengerstein

Foto tirada do google                       

Metzengerstein
Autor: Edgar Allan Poe
Minha classificação: ★★★★ (4/5)
Olá leitores!
Tenho uma notícia bem legal pra vocês! Estou participando de um projeto chamado 12 meses de Poe. O que seria isso? Bom, o projeto consiste em ler um conto por mês do autor Edgar Allan Poe. Os contos foram escolhidos pela criadora da página e ela também disponibilizou todos em PDF pra download no blog dela, então, pra saber mais informações ou pra participar é só ir na página no Facebook que tem tudo que você precisa saber (o link está ali em cima no nome do projeto).
Eu farei um mini post sobre cada conto, tanto pra divulgar a tag e o projeto quanto pra vocês saberem mais sobre as obras do Poe. Serão mini resenhas, já que como são contos se eu falar muito sobre a história poderei acabar entregando detalhes valiosos, que é algo que eu não quero. Aliás, o legal da leitura é descobrir por si só esses detalhes, né?
O conto do mês de janeiro é Metzengerstein e na resenha de hoje eu vim contar pra vocês um pouco sobre ele, mas é claro, sem dar spoilers ou entregar os melhores momentos.

O conto
Somos apresentados a um conto húngaro, onde as informações podem ou não ser verdadeiras, porém, Poe nos diz que este conto é como se fosse uma crença para o seu povo.
As famílias Berlifitzing e Metzengerstein são rivais. O ódio entre as famílias as seguem durante gerações. E no momento, apenas um herdeiro de cada família está vivo.
O Conde Guilherme de Berlifitzing é um velho que está a beira da morte, nutre uma paixão por cavalos e caçadas, e mesmo estando doente faz questão de mante-las. Já o Barão Frederico de Metzengerstein tem 18 anos e é orfão, depois que seus pais morreram começou a gastar sua fortuna com orgias e travessuras, sem se preocupar com as fofocas que rondavam suas atitudes. Quando a mansão do Conde é incendiada, Frederico surge como o único suspeito. 
Durante o incêndio Frederico presenciou algo dentro de seu cômodo que o perturbou. Assustado, saiu de sua mansão e viu um cavalo furioso tentando ser domado por três homens. Não tendo sucesso, os homens decidiram entregar o cavalo para Frederico já que não sabiam quem poderia ser o dono daquele animal e que foi o único que conseguiu doma-lo.
A partir desse dia o Barão e seu cavalo não se separaram mais. Todos que o viam sempre diziam que ele estava acompanhado de seu novo animal e que sua expressão era totalmente diferente de antes, uma expressão maligna.
Um nome elevado sofrerá queda mortal quando, como o cavaleiro sobre seu cavalo, a mortalidade de Metzengerstein triunfar da imortalidade de Berlifitzing.
 Essa foi a resenha de hoje! Espero que vocês tenham gostado e que tenha despertado, pelo menos um pouco, vontade de ler esse conto maravilhoso. Estou amando Poe cada vez mais e temendo coisas que antes pareciam normais também. Esse é o tamanho do impacto que uma obra desse autor causará em você. Comentem aí embaixo se pretendem participar do projeto e se gostam de ler Edgar Allan Poe. Vem conversar! Um beijo e até a próxima.

2 comentários

  1. Oi, Thainá!
    Vi seu comentário lá no LPL, e decidi fazer uma visitinha por aqui. Vi que você está participando também do #12mesesdePoe, e já me interessei pelo seu blog! Mas não li o post, porque fiquei sabendo do desafio há poucos dias, e ainda não li o conto, fico preocupada de receber spoilers.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Pode ficar tranquila e ler sem medo, eu não dei spoilers, só falei no geral sobre a história. Fico feliz que meu blog tenha lhe despertado interesse, volte sempre!

      Excluir